100.24.118.144
919 204 462Ligue Já!
Ou nós ligamos!Deixe os seus dados para contacto.
Seremos breves!
Horário - dias úteis das 9h30 às 18h30
Login
Conheça as soluções integradoras dos nossos ParceirosMarketplace
Orçamentação de obras

Orçamentação de obras: em que consiste e como otimizar este processo

Quando falamos de Engenharia e Construção, inevitavelmente, abordamos a importância que o planeamento assume na gestão eficaz das obras. Este planeamento é o pilar fundamental, tanto para uma boa orçamentação de obras, como para o respetivo orçamento. No entanto, e apesar destes conceitos fazerem parte do quotidiano dos profissionais de engenharia e construção civil, existe uma certa dificuldade em diferenciar cada um e a sua respetiva aplicação.

Assim, e de modo a dar resposta às questões mais frequentes - nomeadamente, "Qual a principal diferença entre orçamentação e orçamento de obra?”, "Em que consiste a orçamentação de obras?” e "Como realizar uma orçamentação de obras eficaz?” -, preparamos este artigo.

 

Qual a principal diferença entre orçamentação e orçamento de obra?

Embora os termos orçamentação e orçamento sejam semelhantes, existem diferenças entre eles. Neste sentido, e de modo a compreender a sua complementaridade, devemos entender a orçamentação de obras como o processo de determinação e previsão de custos que dá origem ao resultado final do custo ou venda, ou seja, o orçamento de obra.

 

Em que consiste a orçamentação de obras?

Com o principal objetivo de realizar a estimativa de custos de uma obra, desde a fase do planeamento e pré-construção até ao momento de entrega da obra ao cliente, a orçamentação de obras é um processo da responsabilidade dos técnicos orçamentistas, pelo que estes profissionais devem possuir um conhecimento técnico aprofundado sobre os planos, desenhos e especificações da obra, mas também demonstrar capacidade de identificar as dificuldades inerentes a cada etapa e serviço, compreendendo assim quais os custos de execução.

Que aspetos estão envolvidos na orçamentação?

Em termos gerais, todos os processos de orçamentação de obras devem incluir a previsão de custos diretos e indiretos de construção, mas também uma margem para parâmetros aos quais a empresa é alheia, mas que podem ter uma influência direta no preço final da obra e nas margens de lucro, nomeadamente:

● Fenómenos e catástrofes naturais (tempestades, alterações climáticas, condições do solo, etc.)

● Problemas de produtividade (mão de obra disponível, eventuais paralisações da obra, etc.)

● Disponibilidade de materiais (falha nas linhas de produção e distribuição, flexibilidade dos fornecedores, aumento abrupto dos preços, etc.)

Por último, todas as orçamentações de obras devem ter em consideração um horizonte temporal tangível, isto porque o mercado é dinâmico e todos os serviços e materiais tendem a sofrer oscilações de preço, consoante a lei da oferta e da procura.

De notar que, a orçamentação de obras representa uma das etapas mais importantes do processo de gestão de obra, uma vez que é através desta estimativa de custos que é possível não só determinar a complexidade do projeto e como serão investidos os recursos de obra, mas também definir as margens de lucro do projeto.

 

Como realizar uma orçamentação de obras eficaz?

A orçamentação de obras assume-se como uma das principais áreas no setor da engenharia e construção, uma vez que é a partir desta base que se fixa o preço do projeto. Assim, um dos fatores cruciais para um resultado lucrativo e, consequente, sucesso da empresa de engenharia e construção, é a existência de um processo de orçamentação eficiente e eficaz.

Neste sentido, e de modo a evitar falhas que possam originar oscilações orçamentais e frustrações para todas as partes envolvidas, é necessário que se contemplem as seguintes etapas durante o processo de orçamentação:

 

Análise de Condicionantes

A primeira etapa de qualquer processo de orçamentação de obras envolve a leitura do projeto de construção e as suas especificações técnicas. Adicionalmente, é necessário realizar uma análise ao local de construção do empreendimento, bem como a leitura aprofundada do caderno de encargos da obra, especialmente se estivermos a falar de um concurso de obras públicas. Esta análise é primordial para a identificação clara de necessidades relacionadas com:

● Compra de materiais

● Mão de obra necessária

● Infraestruturas de apoio ao site de obra

● Instalações provisórias do estaleiro de obra

● Licenças

● Impostos

● Riscos (ambientais, humanos e de segurança) associados à localização da obra

● Outras necessidades/exigências do dono de obra

 

Composição de Custos

De seguida, é necessário transformar todos os dados obtidos da análise de condicionantes numa composição de custos. Neste sentido, o documento de orçamentação de obras deve incluir:

Os custos diretos:esta tipologia de custos diz respeito a todas as despesas que incidem diretamente na construção, nomeadamente a compra de materiais, mão de obra ou aluguer de equipamentos.

Os custos indiretos:esta tipologia de custos diz respeito a todas as despesas relacionadas com a obra, mas não aplicadas diretamente na construção. Isto envolve, por exemplo, os custos associados com a equipa de backoffice (salários, materiais de escritório, etc.), taxas associadas à água e energia, seguros, impostos, licenças, entre outras despesas.

Margem de lucro: o principal objetivo de todas as empresas é obter lucro, por isso, este é um parâmetro que também deve estar devidamente identificado no processo de orçamentação de obras.

 

De notar que, quanto melhor for a identificação, listagem e contabilização dos parâmetros acima mencionados durante o processo de orçamentação, melhor e mais preciso será o orçamento final de obra, o que irá beneficiar e otimizar toda a gestão de obra.

Aumente o controlo de custos das obras

Já percebemos que são muitas as variáveis que precisam de ser analisadas durante o processo de orçamentação de obras. Mas ter uma solução de reporting de gestão de obras que controla, com rigor e celeridade, todos os custos é fundamental.

Com o PRIMAVERA Office Extensions pode aceder a relatórios de custos, análises de rentabilidade e mapas de execução, que lhe garantem um controlo financeiro e temporal de cada obra.

Obtenha relatórios com dados de faturação de autos; autos adjudicados, autorizados, rejeitados e trabalhos a menos; análises de orçamentos, reorçamentos, margens, valores adjudicados, planos de pagamento, faturação real versus prevista, contratos adicionais e outras análises por obra, por tipo de recurso, por especialidade, por classe de atividade ou por entidade.

Além das análises já prontas, é ainda possível criar facilmente outros relatórios através das fórmulas disponíveis na solução. Do que está à espera? Conheça o POE e aumento o controlo de custos e orçamentos das obras.

 

 

Receba a newsletter com as nossas melhores histórias!